sábado, 26 de maio de 2007

...

No crepúsculo
as cruzes se cruzam
famigerados lobos
devoram as entranhas
da última virgem..
O negro sol abrasa
a última dor
derradeiro destino
de homens
feras e demônios.
Na ceia
o sangue infiel
o mundo todo
servido as crianças
folha de papel.

2 comentários:

Eduardo disse...

essa obra abre uma nova etapa, na prodição literaria desse poeta, algo mais maduro, trabalhado com a alma, coragem, é tragico e ao mesmo tempo consolador...

Luana disse...

Oi Lenandro muito show o blog..
sempre que der apareço por aqui ! bjuuu ;*