sábado, 15 de agosto de 2009

Uma verdade inconfidente


Há no Brasil uma nova mania. Uma quase tendência. Vamos reescrever nossa história. Tudo que se disse sobre nosso passado até agora é mentira.Engano. Falcatrua. É estória. Filme B para enganar os bobos. É ficção para vender livros didáticos. E aquele tal Pedro Álvares Cabral, que aprendemos o nome ainda na infância com nossa saudosa professora, não foi nenhum descobridor. Nossos coirmãos portugueses não são heróis desbravadores, mas mercenários sanguessugas que vieram até estas terras para saquear e roubar suas riquezas.
E após está mentira desfeita há mais um rosário de outras mentiras que precisam ser reveladas. E um a um de nossos heróis vão morrendo, junto de seus feitos. E nossos amigos reveladores da verdade são implacáveis em fazer justiça. Tiradentes, Dom Pedro I, Bento Gonçalves e por ai vai caindo uma série de outros ícones históricos, deixando de ser exemplo de bravura, lealdade e justiça perante os olhos de nossas crianças do século XXI. Acabou o romantismo histórico. Tudo é uma grande farsa.
Por favor senhores não me reveleis está verdade de vocês. Que feche-se os meus olhos, silenciem-se os meus ouvidos. Não manchem minhas ilusões. Eu necessito de heróis. O povo é carente de mitos. Sejamos como os gregos, que souberam criar os seus Ulisses, Aquiles, Heitor. Fazendo de sanguinários soldados, seus heróis, seus mitos. Tenhamos sua fé, pois eles acreditam. E ninguém vai dentre eles querer revelar a face da mesquinhes humana de cada um. Há uma necessidade de crer em atos heróicos. Um povo sem mitos é um povo sem imaginação, sem romantismo. Sem lideres.
Devolvam-nos nossa ingenuidade histórica. Deixem-me sonhar com o grito do Ipiranga, com a princesa abolicionista, com heróis farrapos e presidentes populistas. A arte de se contar um estória é romancia-la e transforma-la em ato histórico. Isso engrandece a alma. Da exemplos. Traz virtudes. E transforma a existência humana mais agradável.

3 comentários:

Mouroblog disse...

Caro amigo. Virtudes envoltas em neblinas duvidosas são na verdade crimes. Isto digo, pois na pele encontrei tal resposta. Explico, pegando como exemplo a abolição e sua pseudo heroína que valores agregados tiveram aqueles libertos por sua palavra?
Creio que só o distanciamento histórico revela a verdadeira fase dos acontecimentos que por sua vez reflete nos dias de hj anexe ai as diversas pesquisas feitas sobre desigualdades entre as etnias. Mas paro por aqui somente neste caso, pois as mentiras são várias e maiores ainda os que bebem ilusões e esquecem de viver a dura realidade plantada por nosso ancestrais.

Poeta do entardecer disse...

É isso, enfim um comentário..Respeitemos as diferenças de pensamentos. Só para análise, tentei abordar sobre um mundo triste e imperfeito,onde não há salvação para o ser humano, que envolto em sua ganância e rede de mentiras está condenado a viver entre trevas e que é preferível viver em um mundo de ilusões. Baseado na teoria de Platão de suas duas realidades: a inteligível(o plano das idéias) e a sensível (a vida real)informo entrelinhas que nossa história é feita por seres humanos imperfeitos, assím como a história grega, mas que com o distanciamento histórico é que se faz os mitos, os heróis e suas virtudes e que tudo o mais é inferno. O ser humano é mal por natureza e o egoismo intransponível a não ser com uma dose de ilusão, por hora perdida. E não pensemos que os povos escravizados seriam melhores que os que os escravizaram caso o pudessem. Ou o amigo enfim virou cristão??

Eliandro disse...

É interessante quando análisamos os heróis "Tupiniquins", nós já não temos mais aquela idéia romântica tão aflorada quanto tinhamos na infância repleta de desfiles cívicos e amor a pátria. Mas que pátria? Se por um lado mostramos que não somos a República das Bananas como muitos países pensam quando o país mostra para duas pseudopicaretas inglesas que aqui existem leis e por incrivel que pareça existem também policiais honestos que não se intimidam com duas brancas falando inglês. Porém de outro lado nos mostramos um país de gente Banana, quando assiste o homem/herói que prometeu, e por isso se elegeu, abraçado a pseudos vilões que nada mais fazem a não ser mamar nas tetas públicas por geração pós geração desde o convívio com nossos antigos heróis. O que é verdade?..., a escravidão política e social que vivemos não seria tão ou mais cruel que a que vimos nos livros de história? Bento Gonçalves, Tiradentes, Getulio Vargas, Rui Barbosa, D. Pedro I, SOCORRAM-NOS !!